About

Angariar apoio para salvar a Asia Bibi -

"Prefiro morrer cristã a fazer-me muçulmana para sair da prisão. Não sou criminosa, não fiz nenhum mal. Fui julgada por ser cristã. Creio em Deus e no seu enorme amor. Se o juiz me condenou à morte por amar a Deus, terei orgulho em sacrificar a minha vida por Ele" conta o advogado desta paquistanesa, que cita textualmente as declarações de Asia Bibi gravadas no telemóvel.

Há três meses, numa visita à prisão onde esperava julgamento, Bibi contou que o juiz Muhamed Naveed Iqbal «entrou na cela e deu-lhe a oportunidade de se converter ao Islão para ser libertada. Asia respondeu ao juiz que preferia morrer cristã do que fazer-se muçulmana para sair da prisão». Tudo começou com um copo de água...

Em junho de 2009 mandaram a camponesa Asia Bibi, mãe de 5 filhos, buscar água enquanto trabalhava no campo. Outras mulheres protestaram pois, não sendo ela muçulmana, contaminaria o recipiente tornando-o impuro. Exigiram-lhe que abandonasse a fé cristã e se convertesse ao Islão, e ela opôs-se. Em sua defesa respondeu às companheiras que "Cristo morreu na cruz pelos pecados da humanidade", e perguntou às mulheres que tinha feito Maomé por elas. Ao ouvir estas palavras, recorreram ao imã do lugar, marido de uma delas, que denunciou Asia Bibi à polícia pelo delito de blasfémia.

O artº 295 do Código Penal do Paquistão pune com a morte a blasfémia contra o profeta do Islão. Entretanto, assassinados 2 defensores de Asia Bibi; um rapto Em Janeiro de 2011, no Mercado Kohsar de Islamabad, o Governador do Punjab, Salman Taseer, foi assassinado por um elemento da sua segurança, Malik Mumtaz Hussein Qadri, por defender Asia Bibi, e por se opor à lei da blasfémia.

Em Março de 2011, o ministro das Minorias, Shabbaz Bhatti, o único cristão do governo do Paquistão, também foi assassinado pela sua posição sobre as leis da blasfémia. Foi morto a tiro numa emboscada perto da sua residência. Na sexta-feira passada o filho de Shabbaz Bhatii, foi raptado em Lahore, no leste do Paquistão, informou a polícia e a família. Bento XVI intervém Grupos cristãos - católicos e protestantes - tentam evitar a morte de uma pessoa inocente.

Os bispos do Paquistão pediram ao Papa que medeie o conflito. O Papa Bento XVI pediu o indulto para Asia Bibi. Ela reconheceu sentir-se "honrada" com o apelo de Bento XVI e declarou que "é um privilégio saber que falou dela e que segue o caso pessoalmente" e espera "viver o suficiente para poder agradecê-lo em pessoa".

Todo o história num livro Anne-Isabelle Tollet, repórter do canal televisivo francês France 24 tornou livro a história de Asia Bibi, agora publicado em português com o título "Blasfémia - Condenada à morte por um copo de água" .

A Fundação AIS - Ajuda à Igreja que Sofre, apoia a divulgação deste livro. O Bispo Auxiliar de Lahore, no Paquistão, D. Sebastian Shaw esteve em Portugal, a convite da Fundação AIS e deu o seu também impressionante testemunho sobre a realidade da perseguição e as dificuldades por que passam os cristãos naquele país de maioria muçulmana. A Fundação AIS tem presente uma grande campanha de apoio a Asia Bibi e a todos os cristãos perseguidos pela sua fé. Trata-se de uma acção que visa recolher apoios materiais para estas comunidades religiosas, mas também de apelo à oração.